Vacina

Enfermeira que 'tomou a vacina apenas porque iria viajar' é demitida

Mulher será investigada pelo Conselho Regional de Enfermagem

Laís Milena
Laís Milena
Publicado em 26/01/2021 às 13:45
NOTÍCIA
Reprodução/Instagram
FOTO: Reprodução/Instagram
Leitura:

A enfermeira Nathanna Faria Ceschim foi demitida da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, no Espírito Santo após postar um vídeo nas redes sociais debochando da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan contra a Covid-19. Nas imagens ela aparece falando que tomou a vacina apenas porque iria viajar.

Covid-19: Máscaras e isolamento continuam essenciais, dizem especialistas

O caso repercutiu na sexta-feira (22), quando a enfermeira postou um vídeo mostrando o comprovante de vacinação e desdenhando da vacina, "tomei por conta que quero viajar, e não para me sentir mais segura. Uma vacina que dá 50% de segurança para mim não é uma vacina. Tomei foi água", disse. Na ocasião, a profissional estava sem máscara, na Santa Casa de Misericórdia.

Em nota, o Hospital disse que tomou todas as medidas sobre o caso e que não vai se pronunciar, além de destacar a importância da vacina como única solução possível para conter o avanço dos novos casos de coronavírus. O Conselho Regional de Enfermagem do Espírito Santo informou que a Nathanna será investigada pelo Conselho de Ética da entidade.

A enfermeira foi vacinada na terça-feira (19) porque pertencia ao grupo prioritário do Plano de Vacinação, já que atuava na linha de frente do combate ao coronavírus.

Liberdade de expressão?

A conta de Nathanna na rede social chegou a ser desativada, mas ela logo reativou para se pronunciar sobre a polêmica. Ao final do vídeo, ela ainda se desculpou com as pessoas que se sentiram ofendidas pela sua atitude.

"Estou com a consciência limpa, não cometi crime algum. Em nenhum momento do vídeo fiz campanha contra a vacina. Apenas exerci meu direito como cidadã de expressar minha opinião, a famosa liberdade de expressão. Em nenhum momento eu debochei ou zombei dos mais de 200 mil óbitos que o Brasil teve", disse.

Veja:

Mais Lidas