Paralização

Caminhoneiros confirmam greve e alegam situação pior que a de 2018

Categoria estima que até 80% dos caminhoneiros poderão aderir à paralização

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 31/01/2021 às 13:55
NOTÍCIA
Reprodução/NE10 Interior
FOTO: Reprodução/NE10 Interior
Leitura:

Os caminhoneiros planejam uma nova paralisação, semelhante a que ocorreu em 2018. A greve está prevista para começar a partir desta segunda-feira (1°). A categoria reivindica, principalmente, melhores condições de trabalho e protesta contra o aumento do preço do combustível. Ainda não se sabe de que forma a greve vai ocorrer e qual proporção terá, visto que são várias as entidades que representam a categoria.

Greve dos caminhoneiros: justiça proíbe bloqueio de rodovias
Greve dos Caminhoneiros: confira o que se sabe até agora sobre a paralisação de fevereiro

A decisão pela greve foi tomada no dia 15 de dezembro de 2020, em assembleia geral extraordinária do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC). O conselho reúne 40 mil caminhoneiros em São Paulo e tem afiliados em outros estados. 

Em 2018, o grupo realizou uma paralisação que durou dez dias, afetando o sistema de distribuição em todo o país que causou uma falta generalizada de combustível. Dessa vez, segundo Plínio Dias, presidente do CNTRC, a situação é pior do que naquele ano. 

Na semana passada o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um apelo aos motoristas para que adiassem a greve. Segundo ele, o governo estuda alternativas para reduzir o PIS/Cofins e o preço do diesel. Durante a candidatura do presidente os caminhoneiros apoiaram a campanha de Bolsonaro.

Como será a paralização?

A categoria diz que as reinvindicações de 2018 não vingaram e as reclamações continuam. Plínio Dias estima que até 80% dos caminhoneiros poderão aderir à mobilização. A orientação é que as pistas não sejam totalmente interditadas e que ônibus, caminhões com insumos hospitalares e transporte de pacientes tenham livre acesso. 

"Se os caminhoneiros tivessem sido atendidos antes de segunda-feira, não haveria paralisação. (...) É prazo indeterminado até o governo chamar, o senhor presidente Bolsonaro, chamar o conselho e também juntamente com a categoria, para a gente fazer uma reunião aberta, para decidir o que vai acontecer com a nossa pauta. Da maneira que está, ninguém vai trabalhar, não", afirmou.

Mais Lidas