Investigação

Cremepe instaura sindicância para apurar caso do médico suspeito de importunação sexual em Caruaru

Homem foi preso e encaminhado para Penitenciária Juiz Plácido de Souza

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 10/02/2021 às 8:20
NOTÍCIA
Acervo/JC Imagem
FOTO: Acervo/JC Imagem
Leitura:

O Conselho Regional de Medicina (Cremepe) informou na noite dessa terça-feira (9) que vai apurar o caso do médico que foi preso suspeito de importunação sexual em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. O médico, de 54 anos, especialista em radiologia e exames de imagem é suspeito de importunação sexual contra, pelo menos, três de suas pacientes.

O suspeito foi encaminhado a Penitenciária Juiz Plácido de Souza após cumprir a prisão preventiva. A policia solicita ainda que as pacientes que tenham sido vítimas do médico compareçam à 89ª Delegacia de Policia, para que as investigações sejam continuadas. Ao concluir as investigações, a polícia encaminhará o inquérito à Justiça.

Na nota divulgada pelo Cremepe, o conselho informou que instaurou uma sindicância "ex-ofício" para apuração do fato. Ainda de acordo com eles, o expediente corre em sigilo processual, para não comprometer a investigação e segue o que estabelece o Código de Processo Ético Profissional (CPEP).

Investigações

A Polícia Civil informou em coletiva de imprensa que o Mandado de Prisão foi expedido pela 4ª Vara Criminal da Comarca de Caruaru e que investigação do caso começou no dia 9 de dezembro de 2020, quando uma das vítimas procurou a 89ª Delegacia de Policia, no bairro do Salgado, para fazer a denúncia.

A paciente relatou que esteve no consultório do médico, localizado na Avenida Agamenon Magalhães, no bairro Mauricio de Nassau, para realizar uma exame de ultrassom pré-operatório. Durante a realização do exame, o suspeito teria cometido o crime de importunação sexual.

A polícia instaurou um inquérito e identificou outras duas vítimas, uma molestada em outubro de 2016 e a outra em setembro de 2020. As pacientes chegaram a alegar que o médico médico fazia questionamentos sobre a vida pessoal delas e chegava a apalpar elas em partes íntimas durante a realização de exames.

Mais Lidas