Economia

Economista fala sobre os impactos econômicos do cancelamento do Carnaval

Os trabalhadores informais serão um dos mais afetados pela não realização da festa

Laís Milena
Laís Milena
Publicado em 12/02/2021 às 15:26
NOTÍCIA
Acervo/JC Imagem
FOTO: Acervo/JC Imagem
Leitura:

O cancelamento das festas de Carnaval terá consequências econômicas para todo o país. Em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, houve nos últimos anos o resgate das prévias carnavalescas, que estava em constante crescimento. Além da não realização das festividades, o feriado de Carnaval não será considerado como ponto facultativo, medida adotada para evitar aglomeração.

Confira o que abre e fecha durante os dias do Carnaval
Carnaval sem feriado: veja como aproveitar o fim de semana em Caruaru

Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cerca de R$ 8 bilhões deixarão de serem injetados na economia brasileira, com base no ano passado. Além de 25 mil oportunidades de emprego que não serão abertas.

O cancelamento provocará impactos negativos significativos na economia caruaruense. “Quando traçamos este cenário à nível da economia local, não é diferente. Já que sendo Caruaru o mais importante centro comercial de bens e serviços, do Agreste Pernambucano, toda e qualquer festividade que movimentem a economia do entorno, gera demanda por artigos do vestuário, por alimentos, por matérias-primas diversas, e por serviços. Desta forma, há uma certa preocupação diante de um cenário de queda no consumo como um todo, nesse início de ano, ausência do auxílio emergencial e aumento do nível de desemprego”, explica.

Trabalhadores informais

O impacto é sentido, sobretudo, pelos trabalhadores informais, como destaca a economista, Eliane Alves. “Sem dúvida, o cancelamento de uma festividade de proporções tão significativas na nossa economia, como é o carnaval, impacta negativamente em diversos setores, sobretudo o informal, já que boa parte da renda que circula nesse período é da demanda por produtos ofertados por ambulantes”.

Mais Lidas