menu

Retorno do Auxílio Emergencial deve ocorrer pela última vez, diz Bolsonaro

"Não é uma aposentadoria", disse o presidente sobre a última volta do benefício.

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro concedeu entrevista ao SBT (Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está na cidade de São Francisco do Sul, em Santa Catarina, durante o feirado do Carnaval. Na cidade, Bolsonaro concedeu entrevista exclusiva ao SBT nesta segunda-feira (15), junto com o secretário de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Júnior.

Durante a entrevista, Bolsonaro comentou sobre a volta do Auxílio Emergencial e destacou a possibilidade de retorno do benefício. No entanto, o presidente reforçou que este deve ser o último retorno do auxílio, porque ele "não é uma aposentadoria".

Auxílio emergencial: 40 milhões de pessoas devem receber novas parcelas do benefício

Novo auxílio emergencial deve ser aprovado em três semanas; veja a previsão de datas de pagamento

"O pessoal tem que entender que chama emergencial. Isso não é uma aposentadoria. E cada vez que você paga, você tem um endividamento que, no futuro, o povo vai ter que pagar", afirmou o presidente.

Parcelas

O presidente disse na entrevista que já existe um projeto para prorrogar o auxílio. O projeto é discutido discutido entre os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, em conjunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e a equipe econômica do governo.

Auxílio emergencial volta a ser pago em março, diz Bolsonaro

"Vai ser concedido, por três ou quatro meses, um valor que não está definido ainda. Agora parece que vai ser a última vez", afirmou.

Economia

Bolsonaro ainda criticou ações tomadas por gestões municipais e estaduais para a prevenção da Covid-19, como os fechamentos e lockdown, e afirmou que estas medidas provocaram danos à economia do país.

"Desde o começo eu falava que tínhamos dois problemas: o vírus e o desemprego. Deveriam ser tratados ambos de forma simultânea e com muita responsabilidade. Isso não foi feito. Então a economia está aí com esse problema. Veio a inflação também em cima disso", disse.