Benefício

Vice líder do governo Bolsonaro afirma que auxílio emergencial será de R$300

Serão quatro parcelas pagas as pessoas mais necessitadas, disse o deputado André Ferreira à Rádio Jornal Caruaru.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 25/02/2021 às 14:03
NOTÍCIA
Marcello Casal Jr./ABr
FOTO: Marcello Casal Jr./ABr
Leitura:

O governo deve encaminhar à Câmara dos Deputados uma nova proposta para que o novo auxílio emergencial seja pago em quatro parcelas de R$ 300. A informação foi confirmada nesta quinta-feira (25) pelo vice líder do governo Bolsonaro, o deputado federal André Ferreira (PSC), ao Repercutindo, na Rádio Jornal Caruaru.

De acordo com o deputado, o Governo Federal chegou a um consenso sobre o valor e a quantidade de parcelas do auxílio emergencial. "Está batido o martelo. São mais quatro meses de R$ 300 que vamos tentar aprovar na Câmara. A gente sabe que o auxílio emergencial foi importante pra muita gente. Milhares de brasileiros receberam esse auxílio e o presidente tem essa sensibilidade de voltar a pagar esse auxílio e ajudar essas pessoas que mais precisam", falou

O benefício, no entanto, será pago a menos pessoas, em relação ao ano passado. O governo quer garantir que o auxílio seja pago aos mais necessitados. "Temos que priorizar as pessoas que mais precisam. O auxílio emergencial foi muito importante no ano passado, ajudou muita gente", disse o deputado. Os critérios sobre o pagamento e quem vai receber devem ser definido nos próximos dias.

André Ferreira também comentou sobre a privatização dos Correios e da Eletrobras. "No caso dos Correios e da Eletrobras nos temos que fazer isso mesmo para melhorar o serviço para o cidadão. Os Correios está sucateado, não só em Pernambuco, mas em todo o Brasil. Dá forma que está não tem funcionado mais. Temos que realmente privatizar e oxigenar o dinheiro para o país, fazer com que essas instituições funcionem de verdade", declarou.

Por fim, o deputado falou sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da imunidade, que dificulta a prisão de parlamentares. Ele explicou que a PEC vem para "regulamentar" casos como o do deputado Daniel Silveira, na sua opinião a proposta vai deixar claro qual a função e o que cada senador e deputado pode fazer.

Escute a entrevista na íntegra:

Mais Lidas