Coronavírus

Menino de 3 anos morre de Covid-19 enquanto esperava vaga em UTI

Criança tinha sequelas de um acidente na piscina que ocorreu em setembro de 2020. Pai, mãe e irmão também testaram positivo para a doença.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 11/03/2021 às 16:01
NOTÍCIA
Arquivo pessoal
FOTO: Arquivo pessoal
Leitura:

Um menino de 3 anos morreu na madrugada de quarta-feira (10) com Covid-19, em Alumínio, São Paulo. Bernardo José Rivera estava na fila de espera para ser transferido para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pois na cidade não há leitos especializados.

A criança estava com a saúde debilitada pois, havia se afogado na piscina da casa da família em setembro do ano passado e se recuperava das sequelas do acidente. Devido à gravidade do acidente, Bernardo ficou três meses internado em coma e atualmente tinha uma traqueostomia.

"Ele tinha uma saúde frágil por causa do acidente, mas vinha se recuperando muito bem. Estava forte, fazendo fisioterapia e melhorando dia a dia, mas sabíamos que qualquer infecção poderia ser perigosa para ele", contou ao UOL Daiane Freitas Rivera, irmã de Bernardo.

O menino testou positivo para a Covid-19 na quinta-feira (4). Na manhã de terça-feira (9), ele começou a apresentar sintomas da doença e foi internado no Pronto-Socorro da cidade. No dia seguinte, Bernardo não resistiu e morreu. Segundo a família, os médicos tentaram contatos para conseguir um leito de UTI e transferir o garoto, mas não conseguiram há tempo.

A família também afirmou que adotou todos os cuidados para evitar que a criança fosse contaminada. Ninguém usava calçados dentro de casa, não recebiam visitas e usavam álcool para a higienização.

O pai, a mãe, um irmão e outro parente da criança também estão com Covid. Em fevereiro deste ano um tio do menino também não resistiu e morreu com Covid-19.

Bernardo era filho do vereador José Rivera. Após a morte da criança, a prefeitura de Alumínio decretou luto oficial de três dias. “Uma criança que vinha lutando pela vida, mas por complicações do Covid-19 hoje é mais um anjinho”, diz o decreto.

Mais Lidas