Pandemia

Novo lote de vacinas da Janssen chega ao Brasil; EUA doou um total de 3 milhões de doses

Vacinas foram aprovadas pela Anvisa para uso emergencial

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 26/06/2021 às 11:27
NOTÍCIA
(Miva Filho/SES-PE)
FOTO: (Miva Filho/SES-PE)
Leitura:

Na manhã deste sábado (26), chegou ao Brasil, o segundo lote com 942 mil doses da vacina da Janssen doadas pelos Estados Unidos. A segunda parte, completa 3 milhões de unidades do imunizante contra a Covid-19 que o governo norte-americano doou ao Brasil. O primeiro lote, com 2,05 milhões de doses da vacina, chegou na sexta-feira (25).

O imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial. Produzido pela farmacêutica Johnson & Johnson, a vacina é de dose única. As doses serão distribuídas pelo Ministério da Saúde para todos os estados e o Distrito Federal.

À CNN Brasil, a Casa Branca afirmou que a doação foi feita com o objetivo de ajudar a salvar vidas no país. “Estamos compartilhando essas doses não para garantir favores ou extrair concessões. Nossas vacinas não vêm com amarras. Estamos fazendo isso com o objetivo único de salvar vidas”, disse o membro da Casa Branca.

Como funciona vacinas da Janssen? 

A vacina preveniu a covid-19 em suas formas moderada a grave em 66,1% após 28 dias após a imunização. Sua eficácia de proteção apenas para casos graves, é de 85,4%. De acordo com estudos da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), mostrou que a vacina foi bem tolerada, com efeitos colaterais típicos, como dor no local da injeção, dor de cabeça, fadiga e dores musculares.

> Entenda a vacina Janssen, da Johnson & Johnson, que chegará em Pernambuco

Além disso, a vacina da J&J induz as células humanas a fabricarem uma proteína que desenvolve anticorpos contra a covid-19, impedindo o vírus de invadir as células. Além dos anticorpos, a vacina também ativa a produção de células T imunológicas, que matam as células infectadas e ajudam a produzir mais anticorpos.

*Com informações da CNN Brasil e UOL

Mais Lidas