Justiça

MPPE pede afastamento de presidente da Funase após flagrante de internos dormindo com ratos

Segundo promotora, local estava em condições precárias

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 09/07/2021 às 11:32
NOTÍCIA
 Gajop/Divulgação
FOTO: Gajop/Divulgação
Leitura:

O Ministério Público de Pernambuco solicitou o afastamento da presidente da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) e da diretora do Centro de Internação Provisória (Cenip) Recife após uma vistoria na unidade. Na ocasião, adolescentes apreendidos foram encontrados dormindo com ratos.

O local também estava em condições precárias. O pedido de tutela de urgência está sendo analisado pela Vara Regional da Infância e Juventude. A promotora de Justiça disse à coluna Ronda JC que a vistoria foi realizada no fim de maio e os socioeducandos foram vistos compartilhando pedaços de colchões em alojamentos com infiltração de esgoto. Também foi encontrado lixo e matagal no interior da unidade, além de falta de iluminação.

"Só após a vistoria, compraram colchões novos para o local. Farei nova inspeção para saber como está a situação lá. Também deixei uma urna para que os adolescentes possam colocar as demandas", disse a promotora.

Ela também solicitou que a Funase capine o mato, retire o lixo do interior do local, dedetize mensalmente para eliminar ratos e outras pestes, retire as infiltrações e rachaduras, faça reparos e resolva outros problemas encontrados.

Nota da Funase

A assessoria da Funase disse através de nota que "o objeto da ação do MPPE é a determinação de prazos para a resolução de demandas administrativas encontradas no Cenip Recife, e não o afastamento da presidente da instituição".

A nota também informa que a Funase "entende, inclusive, que a petição por prazos perde parte de seus efeitos quando se considera que as questões apresentadas pelo MPPE já foram ou estão sendo resolvidas, motivo pelo qual considera a forma como a Promotoria vem atuando no caso como contraproducente e longe de ser razoável em relação à superação de desafios do sistema socioeducativo". Ainda na nota, a Funase disse que se pronunciará nos autos em até dez dias, de acordo com o período concedido pelo Judiciário.

*Com informações do Ronda JC

Mais Lidas