vacinação

São Paulo vai adotar campanha de vacinação anual contra Covid-19; nova campanha começa em janeiro

A informação foi confirmada pelo secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn.

Eduarda Cabral
Eduarda Cabral
Publicado em 19/07/2021 às 12:30
NOTÍCIA
Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
FOTO: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Leitura:

Na manhã desta segunda-feira (19), o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, informou que São Paulo irá adotar um esquema de campanha de vacinação anual contra a Covid-19. A nova campanha já deve começar em janeiro de 2022. 

O secretário explicou, em coletiva de imprensa no Instituto Butantan, que não se trata de uma dose de reforço, como tem sido especulado sobre a CoronaVac, mas uma campanha de imunização frequente, como a da gripe. Entretanto, o plano depende da articulação do Ministério da Saúde, responsável pela compra das doses por meio do PNI.

"Nós temos a questão relacionada à imunização anual, assim como fazemos com a gripe, para todos os brasileiros do estado de São Paulo. A nova fase da imunização para covid irá se iniciar dia 17 de janeiro do ano que vem", disse Gorinchteyn.

Campanha começa em janeiro

O secretário não divulgou detalhes sobre o planejamento da nova campanha, prevista para começar em janeiro, mas informou que já está conversando com o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) para organizar o calendário. A expectativa é de que a campanha do próximo ano seja mais tranquila, tendo em vista um provável cenário de controle da pandemia, com toda a população já estará vacinada, e redução na corrida pelas doses.

"Ainda são planos. Temos que ver como isso será articulado nacionalmente e em outros países. O mundo inteiro está se debruçando sobre isso. Mas, com mais vacinas disponíveis, acreditamos ser possível completar [a campanha vacinal] em poucos meses", afirmou Regiane de Paula, coordenadora do PEI (Programa Estadual de Imunização).

Para que a capmanha possa acontecer, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) precisa fazer o registro definitivo das vacinas. Atualmente, os quatro imunizantes aplicados no Brasil (AstraZeneca, CoronaVac, Janssen e Pfizer) têm o registro para uso emergencial.

*Com informações do UOL

Mais Lidas