Saúde

Governo de Pernambuco vai restringir atividades após confirmar casos da variante Delta? Entenda

Secretário de saúde André Longo falou sobre o assunto durante coletiva

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 13/08/2021 às 12:23
NOTÍCIA
Alex Oliveira / JC IMAGEM
FOTO: Alex Oliveira / JC IMAGEM
Leitura:

Os primeiros casos da variante delta da covid-19 em Pernambuco foram confirmados nessa quinta-feira (12). O secretário estadual de Saúde, André Longo, destacou em coletiva online, a necessidade de todos se vacinarem contra a doença. Ainda na ocasião, o secretário também reforçou o pedido para que as pessoas continuem mantendo os cuidados para prevenir o coronavírus, como o uso adequado de máscara de proteção e distanciamento social.

Mesmo com a confirmação dos dois primeiros casos da variante no estado, André Longo disse que os indicadores da covid-19 estão em queda em Pernambuco, mas que “isso não pode fazer com que nós relaxemos”. Segundo ele, os casos são de pacientes da Região Metropolitana do Recife, de dois homens com idades de 24 e 29 anos.

"Essas amostras eram de dois homens [...] moradores das cidades de Abreu e Lima e Olinda, respectivamente. Ambos iniciaram seus sintomas ainda no mês de julho. Outras informações ainda estão sendo levantadas [...] Já demos início às ações de vigilância epidemiológica para esses casos", afirmou.

Ainda de acordo com o secretário, até o momento, não há mudanças no Plano de Convivência com a Covid-19. “A mensagem tem sido sempre de cuidado, de reforço com os municípios [...] Nesse momento, não estamos anunciando nenhum avanço no plano de convivência, mas também não estamos anunciando nenhum recuo, até porque iniciamos a vigilância para esses dois casos”, explicou.

Primeiros casos importados da variante

Pernambuco confirmou os primeiros casos da variante Delta no dia 14 de julho, em tripulantes de um navio cargueiro que estava atracado no Porto do Recife desde 2 de julho, quando foram detectados nove casos de coronavírus. Dois filipinos estavam com a cepa e os casos foram considerados importados (quando não há contaminação direta no território pernambucano).

O navio vinha da Suécia e tinha como destino o Paraná, mas, por causa da contaminação da tripulação, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a atracação do navio no Porto do Recife.

*Com informações da TV Jornal

Mais Lidas