em São Paulo

Médico é processado após inventar ter salvo uma criança no Instagram

O profissional mentiu na publicação para se auto-promover e agora deve pagar R$ 80 mil em danos morais.

Eduarda Cabral
Eduarda Cabral
Publicado em 13/08/2021 às 11:55
NOTÍCIA
Reprodução/Instagram
FOTO: Reprodução/Instagram
Leitura:

Uma história comovente de uma cirurgia pediátrica bem-sucedida publicada no Instagram rendeu a um médico do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo, Bruno Ceranto, um processo por parte de duas crianças por danos morais. O motivo é que a história não passava de uma farsa inventada pelo profissional.

O médico admitiu ter inventado a história, que foi divulgada pelo perfil "Razões Para Acreditar". Ele inventou, em uma publicação que salvou um dos meninos da foto em uma delicada cirurgia de apêndice e escreveu uma carta para o médico agradecendo por ele ser um "herói". Entretanto, o menino não é nem alfabetizado.

O processo vai render ao médico um prejuízo de R$ 80 mil em danos morais. Na publicação, que já foi apagada por Ceranto, ele relatava que salvou a vida do menino com um diagnóstico brilhante e uma cirurgia complexa de apendicite, e que, se não fosse por ele, o "desfecho poderia ter sido outro".

A publicação chegou a alcançar quase 16,9 mil curtidas e 365 comentários elogiando a conduta do "doutor herói".

Descoberta da mentira

A família das crianças só ficou sabendo da fraude após a publicação no perfil do "Razões Para Acreditar". Uma tia do menino entrou em contato com a mãe dele perguntando se estaria tudo bem após tal "cirurgia de grande porte". A mãe teria ficado "estarrecida e indignada".

Com uma imagem ao lado dos meninos, o médico relatou que tinha atendido o caçula em um plantão hospitalar há cerca de três meses com um "quadro de dor abdominal intensa". Ele disse que os meninos, de 3 e 6 anos, tinham 6 e 7 anos.

"Já havia passado cinco dias com dor e febre, indo em várias UPAs, sendo liberado para casa várias vezes com analgésicos e sem diagnóstico", dizia o médico na postagem. Meses depois, ele teria sido "surpreendido com uma cartinha" do menino. "Meu coração deu um suspiro profundo, uma lágrima escorreu pelo rosto, um sorriso bobo me dominou", relata. De acordo com processo, ele também teria forjado uma caligrafia infantil e um desenho do Batman.

*Com informações do UOL

Mais Lidas