energia elétrica

Novo aumento da conta de luz pode ser divulgado nesta terça-feira; saiba quanto será reajuste

O novo valor da bandeira vermelha patamar 2 deve ser divulgado pela Aneel.

Eduarda Cabral
Eduarda Cabral
Publicado em 31/08/2021 às 8:10
NOTÍCIA
Marcello Casal Jr./Agência Brasil
FOTO: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Leitura:

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve anunciar ainda nesta terça-feira (31) o valor da bandeira vermelha patamar 2, nível tarifário mais alto que está mantido na conta de luz de setembro. Atualmente, a taxa está em R$ 9,49 a cada 100 quilowatts-hora (kWh). Com o reajuste, ela deve aumentar e pesar no bolso dos consumidores. 

Segundo a jornalista Ana Flor, da Globonews, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) decidiu recomendar à Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (Creg) que o novo valor seja R$ 14,20. Já a Aneel defende que é necessário que seja um valor mais alto, por volta de R$ 25 a cada 100 kWh até dezembro deste ano e com previsão de retorno aos atuais R$ 9,49 em janeiro.

Em junho, a agência já havia aprovado um aumento da conta de luz de 52% na bandeira vermelha 2, que foi de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh. A expectativa é de que o anúncio do reajuste seja feito nesta terça-feira, mas, caso não seja realizado, a diretoria colegiada pode se reunir ao longo da semana e definir a correção com efeitos retroativos a 1º de setembro.

Crise hídrica

Este é o quarto mês consecutivo que a Aneel aciona a bandeira vermelha patamar 2. Isso porque, de acordo com a agência, agosto foi um mês de "severidade" para o regime hidrológico do sistema elétrico, uma crise provocada pela pouca quantidade de água nos reservatórios.

"A perspectiva para setembro não deve se alterar significativamente, com os principais reservatórios do SIN Sistema Interligado Nacional atingindo níveis consideravelmente baixos para essa época do ano. Essa conjuntura sinaliza horizonte com reduzida capacidade de produção hidrelétrica e necessidade de acionamento máximo dos recursos termelétricos", diz o comunicado.

*Com informações do JC Online

Mais Lidas