menu

PF abre inquérito para investigar manchas de petróleo nas praias

Ibama, Marinha Brasileira e UFPE também ajudam na ação

com informações da Agência Brasil e PF
  • Por Antonio Virginio neto
As manchas apareceram em praias de diversos estados do Nordeste
Ibama, Marinha Brasileira e UFPE também ajudam na ação (Foto: Cortesia/WhatsApp)

Um inquérito foi instaurado pela Polícia Federal (PF) para investigar a origem das manchas de óleo que atingiram a costa de 114 praias em cerca de oito estados nordestinos. As investigações começaram desde o aparecimento do derivado de petróleo, mas só foram divulgadas nessa quarta-feira (2).

A operação acontece na Superintendência Regional da PF no Rio Grande do Norte e conta com a participação de diversas áreas de combate a crimes ambientais. Serviços de perícia e inteligência, além do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Marinha brasileira, Universidade Federal Rural de Pernambuco e Ministério da Defesa também participam da ação.

Manchas

Manchas de petróleo tem surgido em praias do Nordeste e impressionado turistas em pelo menos 109 locais. O caso vem acontecendo desde o início de setembro e a substância tem sido avistada em pelo menos nove estados da região. A única exceção é o estado da Bahia. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, a substância é hidrocarboneto, derivado de petróleo.

Em Pernambuco, as manchas foram avistadas nas praias de Boa viagem, no Recife; Candeias, em Jaboatão dos Guararapes; Gamboa, em Ipojuca; Del Chifre, em Olinda; Ilha de Cocaia e Paiva, em Cabo de Santo Agostinho; Carneiros e Tamandaré. Tartarugas e outros animais marinhos foram afetados. No início de Setembro, foi encontrado um Golfinho morto na praia de Tamandaré, no litoral sul de Pernambuco. A ligação entre o caso e as manchas ainda não foi investigada, entretanto, o animal apresentava piche ao redor do corpo.

Conforme informações divulgadas pela revista Época durante a semana, um laudo sigiloso teria sido encaminhado para o Ibama pela Petrobras, apontando que a mancha seria de Petróleo da Venezuela.