Mudança

Ambulantes devem sair do centro de Caruaru até esta terça

Vendedores deverão seguir para os espaços designados pela prefeitura

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 28/10/2019 às 16:51
NOTÍCIA
Reprodução/TV Jornal Interior
FOTO: Reprodução/TV Jornal Interior
Leitura:

Os ambulantes que atuam nas principais ruas do centro de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, têm até esta terça-feira (29) para deixar os postos atuais de trabalho e ir para os locais designados pela prefeitura.

O prazo tem deixado os vendedores insatisfeitos, já que eles acreditam que o movimento vai cair na mudança para a Praça Leocárdio Porto e no Largo dos Guararapes. O desejo dos ambulantes era de que o prazo fosse estendido até o fim do ano, quando as vendas costumam aumentar para o comércio.

"É impossível sair agora, em pleno movimento de final de ano. Somos pais de família e temos contas para pagar como todo mundo. Fica muito ruim mesmo", reclamou o vendedor ambulante Geronildo Oliveira.

Outro problema apontado pela categoria, que já realizou diversos protestos e tentou recorrer aos vereadores para solucionar o caso, é o tamanho da área para comercializar. Eles acreditam que o espaço é muito pequeno.

"Eles vão estar disponibilizando bancos, e a farda, que é boné e bata. O problema é o tamanho do espaço, estamos preocupados com isso", disse Jhonantan Moura.

Comércio na Praça

As mudanças fazem parte do projeto "Comércio na Praça", desenvolvido pela Prefeitura de Caruaru como parte da requalificação do centro da cidade. Atualmente, cerca de 800 ambulantes atuam em 28 ruas monitoradas pela fiscalização.

Empresários apoiam projeto

Na semana passada, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), A Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic) e o Sindicato dos Lojistas (Sindloja) emitiram uma nota de apoio à requalificação do centro da cidade.

"Nós entendemos que como o espaço já está pronto, já tem o local certo do ambulante, até para ele vai ser bom, porque como o movimento de final de ano é um movimento maior, ele estando no ponto dele já específico, o cliente vai saber onde ele está, e quando cair mais o movimento no início do ano, o cliente já vai saber onde procurar aquele fornecedor", disse o vice-presidente da CDL, Márcio Porto.

Mais Lidas