Renda Brasil

Brasil terá programa de renda mínima permanente após pandemia

Beneficiários do auxílio emergencial devem ser incluídos nas ações

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 09/06/2020 às 15:18
NOTÍCIA
Marcos Corrêa/Presidência da República/Divulgação
FOTO: Marcos Corrêa/Presidência da República/Divulgação
Leitura:

O Governo Federal irá criar um programa de renda mínima permanente após a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O Renda Brasil foi anunciado nesta terça-feira (9) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Guedes também divulgou a criação de um programa para gerar empregos formais, retomando o projeto Carteira Verde e Amarela.

De acordo com o ministro, para criar o Renda Brasil, programas sociais já existentes serão unificados. A ideia é incluir os beneficiários do auxílio emergencial de R$ 600. "Aprendemos durante toda essa crise que havia 38 milhões de brasileiros invisíveis e que também merecem ser incluídos no mercado de trabalho", destacou Guedes, durante reunião ministerial. A forma como isto será feito, porém, não foi revelada pelo ministro.

Governo decide pagar mais duas parcelas do auxílio emergencial; valor será menor

Auxílio emergencial: beneficiários seguem aguardando calendário da terceira parcela

O programa Carteira Verde e Amarela objetiva flexibilizar direitos trabalhistas para facilitar novas contratações pelas empresas. Em novembro do ano passado, o Governo Federal chegou a editar a Medida Provisória nº 905, criando o Contrato de Trabalho Verde e Amarelo. A medida consistia em facilitar a contratação de jovens entre 18 e 29 anos. Porém, a MP perdeu a validade antes de ser aprovada pelo Congresso, em abril deste ano.

"Há regimes onde têm muitos direitos e pouquíssimos empregos e há 40 milhões de brasileiros andando pelas ruas sem carteira assinada. Só que agora nós sabemos quem eles são e vamos formalizar esse pessoal todo", justificou o ministro da Economia.

Auxílio emergencial prorrogado

Como o presidente Jair Bolsonaro já havia sinalizado, Guedes confirmou que o auxílio será prorrogado por mais dois meses. Durante este período, o setor produtivo poderá se preparar para retomar as atividades, com a adoção dos protocolos de segurança para evitar a disseminação do novo coronavírus. Paulo Guedes disse que em breve a economia deverá entrar em fase de decolar novamente, atravessando as ondas da pandemia e do desemprego.

*Com informações da Agência Brasil

Mais Lidas