menu

Guedes confirma prorrogação do auxílio emergencial por dois meses

Ministro afirmou que economia entrará em fase de "decolar novamente"

Em live na semana passada, Bolsonaro já havia confirmado parcelas extra do auxílio
Em live na semana passada, Bolsonaro já havia confirmado parcelas extra do auxílio (Reprodução/Redes Sociais)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou nesta terça-feira (9) que o auxílio emergencial será prorrogado por mais dois meses, conforme já havia sido anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro e que, durante esse tempo, o setor produtivo pode se preparar para retomar as atividades, com a adoção de protocolos de segurança. “E depois [a economia] entra em fase de decolar novamente, atravessando as duas ondas [da pandemia e do desemprego]”, disse Guedes, durante a 34ª Reunião do Conselho de Governo.

Brasil terá programa de renda mínima permanente após pandemia

Auxílio emergencial: beneficiários seguem aguardando calendário da terceira parcela

O auxílio é um benefício financeiro concedido pelo governo federal a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, e visa fornecer proteção no período de enfrentamento à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19. Inicialmente, a previsão era o pagamento de três parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras).

Na última quinta-feira (4), Bolsonaro havia informado, através das redes sociais, que o valor será inferior. "Vai ter, também acertado com o Paulo Guedes, a quarta e a quinta parcela do auxílio emergencial. Vai ser menor do que os R$ 600, para ir partindo exatamente para um fim, porque cada vez que nós pagamos esse auxílio emergencial, dá quase R$ 40 bilhões. É mais do que os 13 meses do Bolsa Família. O Estado não aguenta. O Estado não, o contribuinte brasileiro não aguenta. Então, vai deixar de existir. A gente espera que o comércio volte a funcionar, os informais voltem a trabalhar, bem como outros também que perderam emprego", disse.

O novo valor ainda não foi anunciado oficialmente. Mais de 59 milhões tiveram o benefício aprovado. Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou que a eventual prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses deve elevar o custo do programa para um valor entre R$ 202 bilhões e R$ 203 bilhões.