menu

Pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial começa no dia 20 de julho; veja calendário

Benefício foi prorrogado por mais dois meses

Pagamento do auxílio emergencial
Pagamento do auxílio emergencial (Bobby Fabisak/JC Imagem)

O pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial começa no dia 20 de julho. Os primeiros a receber serão os beneficiários do Bolsa Família. As datas seguem o calendário já existente do programa.

Os beneficiários com o final do Número de Identificação Social (NIS) 1 começam a receber no dia 20 de julho. As pessoas cujo NIS termina em 2 podem sacar o dinheiro no dia 21 de julho. O calendário continua na ordem do final do NIS, até o 0, pulando apenas o fim de semana. O pagamento vai até 31 de julho.

> Veja quando começa pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial para o Bolsa Família

> Quem recebe R$ 1.200 vai receber quanto na quarta parcela do auxílio emergencial?

Para a prorrogação do auxílio emergencial, não haverá alteração no calendário do Bolsa Família, nem nos valores. Os beneficiários deste grupo recebem o valor que for mais vantajoso, seja o referente ao auxílio emergencial ou ao valor já recebido antes da pandemia da covid-19.

Veja o calendário:

Calendário de pagamento do Bolsa Família 2020
Calendário de pagamento do Bolsa Família 2020
Divulgação

Outros grupos

O calendário para os outros grupos do auxílio emergencial (CadÚnico, informais, autônomos e outras pessoas de baixa renda), ainda não foi divulgado pelo Ministério da Cidadania.

Os beneficiários do lote 1, 2 e 4 poderão sacar o valor referente à terceira, segunda e primeira parcelas, respectivamente, de 18 de julho a 19 de setembro. Quem faz parte do lote 3 teve o saque da primeira parcela liberado desde segunda (6) até o dia 18 de julho.

Benefício cortado

Alguns beneficiários poderão ter o pagamento da 4ª parcela do auxílio emergencial suspenso. No final de junho, o Ministério da Cidadania anunciou que os beneficiários do terão que passar por uma nova análise a cada novo pagamento. Para isso, serão consideradas as novas informações inseridas na base de dados para verificar se o beneficiário ainda faz parte dos requisitos e se ele pode continuar recebendo o dinheiro. O objetivo do Ministério é evitar o pagamento indevido do auxílio.

Elegíveis receberão todas as parcelas

No dia 30 de junho, o presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou a prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600. O decreto prevê a prorrogação por mais dois meses. Inicialmente, o benefício foi criado para ter três parcelas, mas o governo decidiu prorrogar o auxílio por mais duas parcelas.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, confirmou que quem for considerado elegível receberá as cinco parcelas "com tranquilidade". "Nós tivemos problemas sim, em um programa dessa magnitude é normal, mas nós fomos superando as falhas. As cinco parcelas estão garantidas a todos aqueles que são elegíveis. Todos aqueles que estão dentro da lei, que têm direito, vão receber [o auxílio] com segurança e tranquilidade", afirmou Lorenzoni.