Caso Miguel

Mãe de Miguel é criticada por pedir R$ 987 mil em indenização à ex-patroa

Família do menino pede indenização pelos danos causados com a morte de Miguel

Marília Pessoa
Marília Pessoa
Publicado em 26/08/2020 às 11:50
NOTÍCIA
Wellington Lima/JC Imagem
FOTO: Wellington Lima/JC Imagem
Leitura:

A família do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que morreu após cair de 35 metros do Condomínio Píer Nassau, em 2 de junho deste ano, pediu R$ 987 mil em indenização à ex-patroa Sarí Corte Real.

A indenização foi ajuizada na 3ª Vara Cível da Capital. Sarí Corte Real era patroa de Mirtes Renata, mãe de Miguel, e estava responsável pelo menino quando ele caiu do prédio. Ela foi denunciada pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) por abandono de incapaz com resultado morte.

Mirtes disse que vem recebendo ofensas nas redes sociais por causa do valor que pediu de indenização a Sarí Corte Real. Ela ainda afirmou que não conseguiu voltar a trabalhar e está sobrevivendo, juntamente com a mãe, de doações. Mirtes explicou que ela e a mãe não têm mais vínculo com a Prefeitura de Tamandaré, onde tinham cargos comissionados. Elas estão movendo uma ação trabalhista que corre em segredo de justiça contra o prefeito Sérgio Hacker.

Além do processo penal e trabalhista, Mirtes e avó de Miguel entraram com outra ação contra Sarí Corte Real, que está sendo executada na área cível. Elas pedem uma indenização de R$ 987 mil pelos danos causados com a morte do menino.

Relembre o caso

Miguel morreu após cair de uma altura de 35 metros do condomínio de luxo Píer Maurício de Nassau (Torres Gêmeas), no bairro São José, na área central do Recife. Segundo as investigações da Polícia Civil, o menino entrou no elevador do prédio e foi até o 9º andar, onde escalou uma grade e caiu de uma altura de 35 metros. Ele estava no apartamento com a patroa da mãe dele e uma manicure.

A mãe dele desceu para passear com o cachorro da patroa. A criança quis ir junto com a mãe, mas foi contido pela dona do apartamento. O menino tentou escapar novamente e a moradora o deixou ir para o elevador sozinho. A patroa da mãe de Miguel, Sarí Corte Real, viu quando a criança entrou no elevador e não a impediu de andar sozinha.

Mais Lidas