Política

Ex-prefeito de Agrestina responderá pelo processo em liberdade

Thiago Nunes foi preso durante operação da Polícia Federal

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 01/10/2020 às 7:34
NOTÍCIA
Prefeitura de Agrestina
FOTO: Prefeitura de Agrestina
Leitura:

O ex-prefeito de Agrestina, Thiago Nunes (MDB), que foi preso durante uma operação da Polícia Federal, conseguiu habeas corpus e deixou a Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, no Agreste pernambucano. Ele responderá o processo em liberdade. O vice, Zito da Barra, cumprirá prisão em regime domiciliar por questões de saúde, de acordo com a defesa.

Thiago Nunes, Zito da Barra, um secretário e uma empresária, foram presos no dia 10 de setembro. As investigações apuravam a atuação de uma organização criminosa suspeita de desvio de recursos públicos da prefeitura de Agrestina.

De acordo com o TRF, a prisão preventiva do prefeito e do vice teve como fundamento "a garantia da ordem pública e da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal". Além do prefeito, do vice e do secretário, dois empresários foram presos. A organização criminosa investigada seria composta por servidores públicos, empresários e particulares, especializada na contratação de empresas de fachada com verbas federais, mediante frustração da competitividade do processo licitatório.

Durante a operação, foram apreendidos R$ 110 mil em espécie e R$ 100 mil em cheques, além de vários veículos, entre eles uma BMW avaliada em R$ 400 mil. Segundo a Polícia Federal, estão sendo investigados os crimes de de organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. 

Presidente da Câmara assumiu prefeitura

O presidente da Câmara de Vereadores de Agrestina, Adilson Tavares, conhecido como Gordo de Zelito, assumiu a prefeitura da cidade. Ele declarou os cargos dos gestores vagos e marcou a sua própria posse como prefeito interino. Para assumir a prefeitura, Gordo de Zelito teve que abdicar da candidatura de vereador nas eleições de novembro, uma vez que não há tempo hábil para reverter a decisão judicial até o dia da convenção partidária.

*Com informações da Rádio Jornal Caruaru

Mais Lidas