benefício

Novo auxílio emergencial deve ser aprovado em três semanas; veja a previsão de datas de pagamento

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e a equipe econômica trabalham para a provação do "novo marco fiscal".

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 15/02/2021 às 10:46
NOTÍCIA
Marcos Corrêa/PR
FOTO: Marcos Corrêa/PR
Leitura:

O Governo Federal estuda a possibilidade de aprovar a extensão do auxílio emergencial em até três semanas após o "consenso" que foi estabelecido entre os presidentes da Câmara, Senado e ministros. De acordo com informações do Broadcast/Estadão, a equipe econômica e o ministro da Economia, Paulo Guedes, trabalham para a provação do "novo marco fiscal", que prevê a inclusão de uma cláusula de calamidade pública na Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

Auxílio emergencial: 40 milhões de pessoas devem receber novas parcelas do benefício

Projeto de Lei quer prorrogar Auxílio Emergencial de R$ 600 até junho e de R$ 300 até dezembro de 2021

A "PEC da guerra" permitirá o governo retirar o dinheiro de regras fiscais para pagar o benefício. A medida, no entanto, cria um teto para despesas para a contenção de gastos. Medidas mais duras poderão ficar para uma segunda PEC fiscal, para ser votada até o fim de julho.

Na última sexta-feira (12), Paulo Guedes afirmou, após reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). que apresentaria uma proposta de texto que deverá ser aprovado pelo congresso até março. Sendo assim, a expectativa é de que a primeira parcela da extensão seja paga no próximo mês.

Datas e valores

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro falou em visita ao Maranhão que o novo auxílio deve ser pago em até quatro parcelas. Sendo assim, além da parcela que deve ser paga em março, de acordo com a previsão do Ministério da Economia, outras três parcelas podem ser pagas, uma em abril, outra em maio e uma possível terceira parcela em junho.

Auxílio emergencial volta a ser pago em março, diz Bolsonaro

A previsão é de que os beneficiários recebam parcelas de R$ 250, a um custo total de R$ 30 bilhões. Em 2020, o auxílio começou a ser pago em parcelas de R$ 600, que depois foram reduzidas para R$ 300.

Mais Lidas