pandemia

O que levou o Governo de Pernambuco a adotar novas medidas restritivas contra a Covid-19? Entenda os dados

O Estado chegou a registrar maior média móvel de casos desde o início da pandemia nesta semana.

Eduarda Cabral
Eduarda Cabral
Publicado em 25/05/2021 às 12:00
NOTÍCIA
Reprodução/NE10 Interior
FOTO: Reprodução/NE10 Interior
Leitura:

A adoção de novas medidas restritivas de combate à Covid-19, anunciadas pelo Governo de Pernambuco, na última segunda-feira (24), pegou muita gente de surpresa, tendo em vista que o Estado já conta com uma série de medidas de enfrentamento à doença. Entretanto, dados apresentados nos boletins epidemiológicos divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde mostram que as medidas mais rígidas têm como base um crescimento constante e acelerado do registro de casos de coronavírus em Pernambuco.

Além da superlotação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), como no caso de Caruaru, que se encontra com 100% de ocupação destes leitos na rede pública e privada de saúde, o Estado registra ainda um aumento da confirmação de novos diagnósticos da doença e de óbitos provocados pela Covid-19. Só nos últimos 15 dias, Pernambuco registrou 37.326 novos casos de coronavírus e 843 mortes.

Na última segunda-feira, Pernambuco bateu recorde da média móvel de casos de Covid-19 desde o início da pandemia. A média móvel de casos, que leva em consideração os números dos últimos sete dias, atingiu 2.953 casos. O número mais alto da média móvel havia sido registrado no dia anterior, no domingo (23), com a média móvel de 2.858 casos. 

Confira o aumento do registro de casos nos últimos 15 dias:

DATACASOS DIÁRIOSÓBITOS DIÁRIOS
10 de maio1.828 casos32 óbitos
11 de maio2.779 casos89 óbitos
12 de maio2.426 casos80 óbitos
13 de maio3.195 casos79 óbitos
14 de maio2.975 casos43 óbitos
15 de maio2.894 casos65 óbitos
16 de maio1.686 casos43 óbitos
17 de maio701 casos31 óbitos
18 de maio3.029 casos68 óbitos
19 de maio3.440 casos79 óbitos
20 de maio3.188 casos65 óbitos
21 de maio3.969 casos66 óbitos
22 de maio3.589 casos67 óbitos
23 de maio2.089 casos40 óbitos
24 de maio1.368 casos28 óbitos

*Com informações do boletim epidemiológico divulgado diariamente pela Secretaria de Saúde de Pernambuco

Por que medidas mais rígidas no Agreste?

Por meio de decreto publicado nesta terça (25), o Governo de Pernambuco determinou que, de 26 de maio até 6 de junho, terão medidas restritivas mais duras os 53 municípios das Gerências Regionais (Geres) IV e V – que têm como cidades polo Caruaru e Garanhuns – no Agreste, e mais 12 cidades da Geres II, com sede em Limoeiro. O decreto esclarece que, durante este período, fica vedado, em qualquer dia e horário, o funcionamento de estabelecimentos e a prática de atividades econômicas e sociais de forma presencial. 

Em entrevista à Rádio Jornal, o secretário estadual de Saúde, André Longo, comentou sobre a adoção de medidas mais rígidas especificamente no Agreste de Pernambuco, que registra altas taxas de ocupação de leitos de UTI. "É uma nova aceleração, especialmente no Agreste. Os números na região são realmente impressionantes do ponto de vista do crescimento de demandas lá [...]. Há uma forte pressão no sistema de saúde", disse.

O secretário reforçou que também é observado um aumento de casos e de solicitações de leitos em outras regiões que não adotarão as medidas restritivas agora, mas que o cenário é monitorado pelas autoridades de saúde do Estado. Durante a entrevista, o secretário informou que o governo avalia a possibilidade de uma nova variante do vírus estar circulando no Estado, com presença ainda maior na região do Agreste, onde tem sido apresentado o maior aumento de casos.

Mais Lidas