Manifestação

Ato contra Bolsonaro no Recife é dispersado com gás de pimenta e balas de borracha; veja vídeo

Manifestação se iniciou pacificamente, mas descumpre o decreto estadual que proíbe aglomerações de pessoas devido a covid-19.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 29/05/2021 às 13:40
NOTÍCIA
Bruno Campos/ JC Imagem
FOTO: Bruno Campos/ JC Imagem
Leitura:

O ato contra o governo de Jair Bolsonaro que aconteceu na manhã deste sábado (29) no Centro do Recife acabou em um confronto entre os manifestantes e a força policial. O momento foi transmitido ao vivo pelas redes sociais de páginas que apoiam o ato. Segundo os relatos no vídeo, a Polícia Militar de Pernambuco usa spray de pimenta e bala de borracha para dispersar a multidão, e um dos militantes teria sido ferido. 

A manifestação se iniciou pacificamente, no entanto, descumpre o decreto estadual que proíbe aglomerações de pessoas devido à crise sanitária causada pela covid-19. O protesto teve concentração na Praça do Derby, por volta das 9h, se iniciando por volta das 10h40. De acordo com as imagens, os manifestantes estavam em uma ponte quando, ao fundo, é possível ouvir sons que parecem ser bombas de gás. Os militantes começam a pedir para que os protestantes se separarem.

Veja o vídeo: 

Durante o ato contra Bolsonaro, estavam presentes representantes de centrais sindicais, movimentos estudantis e sociais e representantes da sociedade civil que usaram cartazes com frases de ordem como: "Fora Bolsonaro, Mourão e militares", "Cadê a vacina, Bolsonaro?" e "Não tem vacina? A culpa é dele!". Os policiais montaram uma barricada em cima da Ponte Duarte Coelho, e avançaram contra os manifestantes por volta das 12h30, que estavam na Rua da Aurora, afastando-se do confronto. Bombas de gás lacrimogênio foram lançadas contra os militantes.

O representante da Central Sindical e Popular (CSP) Conlutas no Recife, Carlos Elias, contou que além das críticas a Bolsonaro, o ato denuncia o negligenciamento das medidas sanitárias tomadas pelo governo de Paulo Câmara e João Campos. "A principal reivindicação é derrubar o governo Bolsonaro e Mourão, mas também é pelo auxílio emergencial para todas as pessoas que estão passando por necessidade, contra a reforma administrativa que vai atacar a saúde e a educação, destruindo serviços públicos, contra as privatizações, contra a destruição do meio ambiente e em apoio à luta dos povos indígenas", explicou.

Segundo levantamento da BBC News, o protesto contra o governo Bolsonaro estaria marcado para este sábado (29) em pelo menos 85 cidades brasileiras. Na sexta (28), a 34ª Promotora de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital, com atribuição na Promoção e Defesa da Saúde do MPPE, expediu a Recomendação referente ao Procedimento Administrativo nº 02061.000.268/2020 para a não realização de atos que possam vir ocasionar aglomerações de pessoas.

Atos em Petrolina

Em Petrolina o ato aconteceu na Praça Maria Auxiliadora, no Centro de Petrolina, na manhã deste sábado (29). A manifestação, organizada por sindicatos, movimentos sociais, organizações estudantis e lideranças partidárias, também se posicionou à favor da vacinação em massa, à vida e ao emprego, e contra a política do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) na condução da pandemia da covid-19.

> Manifestação a favor da vacina e contra o governo de Jair Bolsonaro é realizada em Petrolina

“Estamos defendendo a vida do povo brasileiro. Vemos o que o governo federal, desde o começo, não tem tomado nenhuma medida efetiva contra a pandemia e ainda menosprezou a disseminação do vírus. A situação do país está cada vez pior, com preços altos de alimentos, gás e da gasolina, e com o desemprego se mantendo. Também estamos defendemos a vacinação da população. O vírus não é o único culpado [pelo cenário atual], mas também o governo federal”, disse Bruno Melo, membro da Unidade Popular (UP).

*Com informações do JC

Mais Lidas