Coronavírus

OMS recomenda limite no consumo de bebida alcoólica durante a quarentena

Uma das justificativas é que o álcool baixa a imunidade

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 15/04/2020 às 15:37
NOTÍCIA
Pixabay
FOTO: Pixabay
Leitura:

A seção europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou aos governos que tomem medidas para limitar o consumo de bebida alcoólica durante o período de isolamento social por causa do novo coronavírus (covid-19).

A justificativa do órgão é que o álcool compromete a imunidade e o consumo excessivo pode prejudicar a saúde física e mental da população, além de contribuir para o aumento da violência doméstica e comportamentos de risco durante o período de quarentena.

Segundo a OMS, o consumo excessivo eleva os riscos de doenças em geral e é responsável por 3 milhões de mortes por ano no mundo. Um terço delas ocorre no continente europeu.

A OMS negou ainda que bebidas alcoólicas protejam contra o coronavírus. "As pessoas deveriam minimizar o consumo de álcool em qualquer período, e particularmente durante a pandemia de Covid-19", diz um comunicado do órgão.

Há duas semanas, o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, chegou a indicar 40 a 50 ml de vodka por dia para supostamente se prevenir contra a doença. No início de março, 27 pessoas morreram na província de Khuzestán, no Irã, após ingerir álcool adulterado achando que se curariam da covid-19.

Desinformação

O comunicado da OMS diz que o medo e a desinformação geraram "um mito perigoso" de que as bebidas com alto teor alcoólico matem o coronavírus. "Não matam", diz o texto.

A OMS acredita que regras já existentes nos países, como a restrição do acesso ao álcool, deveriam ser reforçadas durante o período da pandemia. Os governos também deveriam incrementar os serviços ligados ao abuso de álcool e drogas.

Mais Lidas