Economia

Veja quais estados começaram a flexibilizar o isolamento social

Alguns locais reabriram shoppings e restaurantes

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 23/04/2020 às 15:28
NOTÍCIA
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
FOTO: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Leitura:

Alguns estados brasileiros começaram a tomar medidas para flexibilizar o isolamento social, como a reabertura de alguns setores produtivos e a liberação de funcionamento de algumas atividades. A manutenção das pessoas em casa é uma das medidas adotadas para evitar a disseminação do novo coronavírus (covid-19) em todo o mundo.

Um dos locais a anunciar a liberação de algumas as atividades recentemente foi Santa Catarina, no Sul do País. De acordo com boletim divulgado na quarta (22), o estado tinha 1.115 casos confirmados da doença, com 39 mortes. Os shoppings, restaurantes e academias podem funcionar desde a quarta.

Para isto, porém, os funcionários e clientes precisam usar máscara e álcool em gel para higienizar as mãos. As lojas também devem controlar a entrada de clientes para que não haja mais do que 50% da capacidade no mesmo momento. As pessoas precisam ainda manter uma distância de 1,5 metro entre as outras.

No Espírito Santo, os municípios com pouca contaminação poderão abrir as lojas, contanto que haja o uso das máscaras e os clientes fiquem em distância segura. Em Minas Gerais, os municípios irão receber um protocolo sanitário apontando os setores que devem voltar antes ou depois de acordo com o grau de risco que representam. Ficará a cargo dos prefeitos a decisão de liberar ou não o funcionamento. O estado é o sexto com o menor número de casos no Brasil.

Também no Sudeste, São Paulo deve reabrir os setores produtivos de forma gradual a partir de 11 de maio. O governador João Doria montou uma equipe para elaborar o "Plano São Paulo". A retomada deve ser feita de forma regionalizada, observando a ocupação de leitos nos municípios do estado. O estado é o epicentro da covid-19 no Brasil, com mais de 15,9 mil casos confirmados e mais de 1,1 mil mortes.

Já no Centro-Oeste, a Prefeitura de Cuiabá (MT) tem a previsão de liberar o comércio parcialmente, assim como as igrejas, a partir de 27 de abril. A Justiça estadual definiu que os municípios têm autonomia para decidir como será o procedimento.

No Mato Grosso do Sul, os prefeitos também podem decidir o que farão nas cidades. A prefeitura de Campo Grande flexibilizou a abertura de alguns setores e os empresários estão responsáveis por apresentar um plano com medidas preventivas. Em Goiás, o governo permitiu a volta da construção civil, salões de beleza, oficinas e celebrações religiosas.

No Distrito Federal, um decreto publicado nessa quarta (22) permitiu a reabertura de escritórios de advocacia, contabilidade, engenharia e arquitetura, além de imobiliárias. Já estava autorizada a reabertura de lojas de móveis e eletrodomésticos. O governador Ibaneis Rocha estuda ainda a possibilidade de o comércio voltar a funcionar a partir de 3 de maio.

Norte e Nordeste

No Norte, Tocantins liberou a abertura do comércio na semana passada. O estado tem 37 casos confirmados, com dois óbitos. Entretanto, em Palmas, um decreto municipal só permite o funcionamento de serviços essenciais. A capital concentra 25 dos casos.

Na Paraíba, no Nordeste, os clientes só podem entrar nos estabelecimentos usando máscaras. Lá, estão funcionando supermercados, indústrias, alguns restaurantes e lanchonetes, entre outros. Em Sergipe, parte do comércio também pode abrir.

Em Pernambuco, apenas os serviços essenciais estão autorizados a funcionar, mas o Governo do Estado prepara um protocolo para quando a reabertura do comércio, que ainda não tem data, ocorrer.

Mais Lidas