menu

No Dia do Folclore, conheça as lendas urbanas do interior de Pernambuco

Histórias provocam arrepios em muita gente

A casa mal-assombrada fica no município de Lagoa dos Gatos, no Agreste de Pernambuco
A casa mal-assombrada fica no município de Lagoa dos Gatos, no Agreste de Pernambuco (Reprodução/TV Jornal Interior)

O Dia do Folclore é comemorado neste sábado (22) em todo o Brasil; a data foi oficializada em 1965, através de decreto assinado durante a ditadura militar pelo então presidente Castello Branco. Portanto, a importância das histórias na formação cultural da população é reconhecida nacionalmente.

Em Pernambuco, há diversas lendas urbanas, que podem parecer menos ou mais reais, a depender de quem está escutando.

Confira:

Há poucas coisas tão assustadoras como uma casa mal-assombrada, e existe uma dessas na cidade de Lagoa dos Gatos, no Agreste do Estado.

A residência centenária fica no sítio Riachão de Dentro e até os mais céticos sentem arrepios quando estão lá. Os relatos de assombrações vão de móveis que se arrastam no meio da noite até vozes que ecoam do além.

Conta-se que a casa foi construída por um homem conhecido como Caboclo Inácio, que viveu tranquilamente na região. Foi depois da morte dele que começaram as histórias macabras. Os mais corajosos acreditam que a casa esconde algum tesouro e por isto sofre com uma maldição.

Uma comunidade católica já realizou uma sessão de oração no local para espantar os espíritos.
Uma comunidade católica já realizou uma sessão de oração no local para espantar os espíritos.
TV Jornal Interior/Reprodução

Também no município, existe a Pedra do Oratório, ou Pedra do Reino Encantado, que fica no Sítio Cafundó. Os moradores acreditam que o espírito de uma moça está aprisionado na caverna, por causa de uma maldição.

As pessoas da região garantem que alguns visitantes que tocam na pedra conseguem ver a marca da mão, que desaparece pouco depois. Outra curiosidade é que o espaço está sempre limpo, o que reforça a tese de que alguém está sempre limpando o local.

Pedra do Reino Encantado, em Lagoa dos Gatos, atrai visitantes
Pedra do Reino Encantado, em Lagoa dos Gatos, atrai visitantes
Reprodução/TV Jornal Interior

Outra lenda popular brasileira é a da Comadre Fulozinha, uma mulher-fantasma que vive na floresta e faz tranças nos cabelos das pessoas e nos pelos dos animais. A assombração também seria responsável por fazer os caçadores se perderem na mata. Há relatos de tranças e nós em cabelos na cidade de Agrestina. Uma das supostas vítimas precisou cortar os cabelos, tamanho o estrago.

Mulheres afirmam ter cabelos trançados por comadre fulorzinha, em Agrestina
Mulheres afirmam ter cabelos trançados por comadre fulozinha, em Agrestina
Reprodução/TV Jornal

O lobisomem também é uma figura que causa arrepios em muita gente. Uma lenda que circula em Panelas diz que um grupo de estudantes foi atacado por um homem-lobo em Lagoa do Mato, na zona rural. O motorista teria sido perseguido pelo bicho. E tudo isso numa noite de lua cheia, claro.

Noites de Lua cheia deixam os moradores de uma comunidade em Panelas-PE em alerta
Noites de Lua cheia deixam os moradores de uma comunidade em Panelas-PE em alerta
Reprodução/TV Jornal Interior

Em Cupira, a aparição de tochas (bolas de fogo) assusta os moradores. Alguns acreditam que tratam-se de almas que não conseguiram encontrar descanso. Outros até concordam que se tratam de espíritos, mas creem na história de que uma comadre e um compadre tiveram um relacionamento amoroso e morreram como forma de castigo pelo pecado.

Bolas de fogo aparecem para moradores de Cupira
Bolas de fogo aparecem para moradores de Cupira
Reprodução/TV Jornal Interior

Caruaru também tem uma lenda, a da Galega da Cadisa. A mulher de cabelos loiros assustou muitos taxistas e motoristas no entorno do Estádio Luiz José de Lacerda, no bairro Maurício de Nassau, na década de 70. A história é de que a mulher saía de uma loja de caminhões nas proximidades e ficava pedindo carona. No meio da viagem, ela desaparecia do carro, o que deixava os motoristas boquiabertos.

Motoristas contam que mulher pegava carona e desaparecia
Motoristas contam que mulher pegava carona e desaparecia
Reprodução/TV Jornal Interior

Já o "Hospital dos Bixiguentos" foi construído em 1800 no Sítio Mulungu, para tratar de pacientes com lepra. A unidade de saúde foi desativada, mas a construção continua no mesmo lugar. As pessoas que moram no sítio relatam que até hoje ouvem gritos e vozes vindos das ruínas.

Hospital foi construído há mais de 200 anos e está desativado
Hospital foi construído há mais de 200 anos e está desativado
Reprodução/TV Jornal Interior

As aparições fantasmagóricas estão em todas as regiões do Estado. Em Catende, na Zona da Mata Sul, a história mais conhecida é a da Mulher da Sombrinha, que atraía operários da Usina Catende para o cemitério durante a madrugada e depois desaparecia. Depois, a lenda acabou virando um bloco de Carnaval.

Mulher da Sombrinha levava operários para porta de cemitério
Mulher da Sombrinha levava operários para porta de cemitério
Reprodução/TV Jornal Interior