Caso Beatriz

Caso Beatriz: pais da menina são impedidos de participar de coletiva sobre o caso

Coletiva deve tratar sobre prisão do suspeito de matar a criança em 2015

Marília Pessoa
Marília Pessoa
Publicado em 12/01/2022 às 10:04
Notícia
Reprodução/Internet
Pais de Beatriz são impedidos de entrar em coletiva - FOTO: Reprodução/Internet
Leitura:

Na manhã desta quarta-feira (12), os pais de Beatriz Mota, Lúcia Mota e Sandro Romildo, foram impedidos de entrar no prédio da sede da Secretaria de Defesa Social (SDS-PE), no Recife, para participar da coletiva de imprensa sobre a prisão do suspeito de matar a menina em Petrolina, no Sertão do estado.

..

"Eu vou entrar. Vocês só vão me tirar daqui se for à força. Vocês estão lidando com gente, com sentimento. São seis anos sem minha filha, são seis anos aguardando uma resposta. E a gente soube [sobre a identificação do suspeito] através da imprensa. Falta de respeito, falta de humanidade. Por isso que nós pedimos a federalização", disse Lucinha.

No local, o tumulto chamou a atenção da imprensa que estava presente. Lucinha reforçou que gostaria de participar da coletiva para obter mais esclarecimentos sobre o caso. Na ocasião, a Secretaria de Defesa Social anunciou que vai apontar as provas técnicas do caso.

"Eles vão ter que me responder muitas perguntas", afirmou ela aos jornalistas.

Emocionada, Lucinha Mota fala sobre prisão de suspeito do caso Beatriz "confessar não é o suficiente"

Caso Beatriz: suspeito de matar menina foi identificado após de análise de DNA na faca usada no crime

Veja o vídeo:

A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco anunciou na noite dessa terça-feira (11) que a Polícia Civil do estado identificou o suspeito de matar Beatriz. Segundo a SDS, o crime foi solucionado com base em exames de DNA realizados na arma do crime.

Os materiais genéticos encontrados na faca que matou a menina foram cruzados com bancos genéticos e identificaram o suspeito dentro do sistema prisional do estado. O homem está detido por outros delitos e confessou ser o responsável pela morte de Beatriz.

"Falta de estrutura e precariedade", diz Sinpol sobre atuação da Polícia Civil no caso Beatriz Mota

Relembre o caso Beatriz

A menina Beatriz Angélica Mota foi morta aos 7 anos de idade com 42 facadas no dia 10 de dezembro de 2015, dentro de uma sala desativada do colégio particular em que estudava em Petrolina, no sertão de Pernambuco.

O crime ocorreu enquanto estava sendo realizada uma festa de formatura no local. Em um momento, Beatriz se afastou dos pais para beber água e não voltou. O corpo foi encontrado 30 minutos depois.

Comentários


Mais Lidas